NOSSAS ATIVIDADES

Acreditamos que o equilíbrio entre o homem e a natureza é algo possível de ser alcançado. Ações que apoderam os cidadãos de conhecimentos sobre as consequências de seus atos para o futuro, os tornam mais conscientes e responsáveis pela proteção da biodiversidade.

Com isto o ECOPARQUE DAS AVES BOTUCATU, através de suas ações educativas, busca não só incentivar novas atitudes, mas sim promover a mudança de valores do ser humano em relação ao meio ambiente.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL

IMG_4930
Arara_Caninde
44750579_2197337583879530_37271244943602
28842830620_0529f45750_b
IMG_4918
Arara-vermelha_(Ara_chloropterus)_-_tamb


No Estado de São Paulo a vegetação típica de cerrado ocupava originalmente 14% de seu território, representando 3,4 milhões de hectares. Atualmente essa vegetação é representada por inúmeros fragmentos pequenos, ocupando apenas cerca de 0,9% da área do Estado. Além disso, menos de 10% dessa vegetação estão inseridos nas unidades de conservação estaduais, sendo o restante localizado em propriedades rurais particulares, em processo de conservação espontânea, fato que fragiliza a situação dos remanescentes.

Diante deste cenário preocupante em relação a este bioma tão importante, o ECOPARQUE tem como objetivo a destinação de uma grande área para o desenvolvimento de trabalhos de restauração do bioma cerrado.



O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul, ocupando cerca de 22% do território nacional, sua área contínua estende-se sobre 12 estados do país. Apontado como um hotspot mundial da biodiversidade, este importante bioma apresenta extrema abundância de espécies endêmicas, sendo reconhecido como a savana mais rica do mundo do ponto de vista da diversidade biológica, abrigando 11.627 espécies de plantas nativas já catalogadas apenas no Cerrado brasileiro. 

Entretanto foram necessárias apenas cinco décadas para se reduzir o tamanho original desse bioma para 41% do total original segundo o Ministério do Meio Ambiente. Sendo as principais atividades que comprometem a conservação desse bioma a expansão agrícola e pecuária, o extrativismo e o processo desenfreado de urbanização.

 

RECOMPOSIÇÃO DO CERRADO

DSC_0336
166550_Ampliada
IMG_1181
IMG_1190
caliandra-2344102_960_720
paisagem (7)

Animais silvestres acidentados, resgatados do tráfico ou abandonados, são encaminhados aos Centros de Triagem de Animais Silvestres (CETAS) e aos Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS) para que possam receber os cuidados necessários. Após receberem tratamento e os cuidados necessários, os animais são avaliados e aqueles que estão saudáveis, estarão aptos para retorno a natureza.
 
O processo de retorno do animal ao habitat natural pode parecer simples como apenas abrir a porta da gaiola e realizar a soltura, porém é um complexo devido a quantidade de cuidados e fatores envolvidos como: avaliação prévia e estudo da comunidade de fauna pré-estabelecida na área onde será realizada a soltura, reabilitação, acompanhamento do animal, avaliação do sucesso da soltura, etc.
 
As áreas de soltura de animais, devem cumprir requisitos e exigências junto ao órgão ambiental competente, que as certificam legalmente como Áreas de Soltura e Monitoramento de Fauna (ASMF).   
 

ÁREA DE SOLTURA E MONITORAMENTO DE FAUNA

As ASMF são empreendimentos responsáveis pelo recebimento desses animais para soltura e monitoramento, garantindo que possam retornar com segurança ao ambiente que habitavam e exercerem seu papel no ecossistema. Com isso o ECOPARQUE DAS AVES BOTUCATU criou sua própria área de soltura, a ECOASAS, com objetivo de reforço populacional de espécies locais e para contribuir com o desafogamento dos CETAS E CRAS que atuam em sua capacidade máxima.